Dia de campo discute revigoramento de cafezais

AIBA - Associação de Agricultores e Irrigantes da Bahia > Notícias > Notícias > Dia de campo discute revigoramento de cafezais

campo1A Associação dos Cafeicultores do Oeste da Bahia (Abacafé) realizou, no dia 07 de fevereiro, o Dia de Campo de Café do Oeste Baiano, na Fazenda Olinda dos Gerais, em São Desidério. O objetivo foi expandir, fortalecer e qualificar o mercado da cafeicultura, além de trocar experiência com outras regiões produtoras do país.

Na pauta do evento estavam os seguintes temas: revigoramento do cafeeiro com o consultor Régis Ricco, da RR Consultoria Rural; colheita e poda mecanizada com o cafeicultor e consultor em mecanização do café da Mundo Novo Máquinas Agrícolas, José Eustáquio Soier e a dinâmica dos nutrientes no solo com o engenheiro agrônomo da Giro Agro, Mário da Cunha.

campo2Taxativos, Ricco e Soier defenderam um novo modelo de cafeicultura a partir da poda com “capação”, uma técnica apresentada na década de 80 e de menor agressividade a planta. Segundo Ricco, a “capação” interrompe o domínio da gema apical transferindo toda reserva de carboidrato para a lateral, resultando em uma planta mais robusta, sem broto na parte superior, diferente do que ocorre em outros tipos de poda, a exemplo do esqueletamento, onde o tronco fica exposto à luz gerando uma superbrotação. “Quanto maior a agressão, menor a produção, e é isso que ocorre no esqueletamento, como o próprio nome diz; e na cafeicultura, broto é ladrão”, assegurou.

“Precisamos colocar no lixo essa ideia de esqueletar o cafeeiro”, completou José Eustáquio. Para ele, os primeiros passos para o revigoramento do cafeeiro são definir a realidade da lavoura e criar estratégias para aumentar sua vida útil. “Precisamos extrair todo o potencial do cafezal dando a ele todas as condições para manifestar esse potencial produtivo e só então realizar a poda estratégica para resolver o problema econômico do ano seguinte”, disse Soier.

No oeste baiano, a prática da “capação” no cafeeiro ainda é muito tímida, mas os cafeicultores garantem que o atual modelo ainda consegue atingir médias de produtividade satisfatórias comparada a outras regiões do país, isto tudo, devido à adaptação da planta às condições climáticas e de solo características do oeste. Apesar das divergências regionais, não descartam a inclusão e o teste do novo manejo de poda apresentado pelos especialistas.

Com a atual safra estimada em 28,3 mil toneladas, a cafeicultura do Oeste da Bahia caminha para a etapa do revigoramento do parque cafeeiro, principalmente em lavouras com idade igual ou superior a 10 anos. Hoje, o oeste cultiva aproximadamente 15 mil hectares do tipo arábica, em um sistema totalmente irrigado. Estima-se que 70% do café produzido na região sejam destinados ao mercado externo, 20% para o mercado de formulação de blends e 10% para a indústria nacional. Nesta safra, a área de produção chega a 10,8 mil hectares.

Texto: Ascom Abacafé
Foto: Junior Ferrari/Uaumais

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.