14 de julho de 2021

Imersão do Aiba Lab traz pesquisadores para debate sobre sustentabilidade

A Associação de Agricultores e Irrigantes da Bahia (Aiba) deu início aos encontros de imersão que fazem parte da preparação para o Hackathon Aiba LAB. O primeiro evento, online, teve a participação dos pesquisadores Marie Bartz, do Centro de Ciências Aplicadas à Agricultura Biológica de Portugal, Sérgio Abud, da Embrapa Cerrados, e Everardo Mantovani, da Universidade Federal de Viçosa (UFV) e Presidente da Associação Brasileira de Irrigação e Drenagem (Abid).

A transmissão, com o tema “Produtividade e Manejo Sustentável, com ênfase no uso e manejo do solo, da água e no controle de doenças e pragas”, foi realizada pelo canal oficial da entidade agrícola, no YouTube. Esses eventos têm como objetivo enriquecer os conhecimentos do público sobre o universo agropecuário, contemplando os marcos históricos, os projetos atuais e as tendências para o setor.

Marie Bartz traz na identidade o sobrenome do pai, Herbert Bartz, pioneiro do Sistema Plantio Direto no Brasil. Na abertura dos painéis, ela falou sobre os pilares desse tipo de manejo do solo, salientando a importância dos serviços ecossistêmicos e a interação entre seres vivos e não vivos. “No Sistema Plantio Direto, quando um desses três princípios é quebrado, os problemas começam a se apresentar. É preciso que o revolvimento do solo seja mínimo, com cobertura permanente, além da rotação e diversificação de culturas. Isso é o que rege esse sistema de plantio”, explica. “Se você faz revolvimento do solo, acaba tendo queima de carbono e emissão de gases. Se não tem cobertura permanente, você pode ter problema de compactação e danos à biodiversidade. Sem a rotação e a diversificação de culturas, não vai alimentar o solo, é aí que surgem as pragas e doenças”, finaliza.

No segundo painel, Sérgio Abud fez uma abordagem sobre “Gestão e manejo da soja, com foco na necessidade do controle de pragas e doenças”. O pesquisador tem profundos conhecimentos sobre a região, onde atua desde a instalação do laboratório e dos campos experimentais da Embrapa, nos anos 1980, que deram início à adaptação de plantas de soja ao oeste baiano. Para completar a série de apresentações, Everardo Mantovani discorreu sobre “Irrigação, eficiência hídrica, sustentabilidade e cases de startups”. Desde 2018 ele coordena um amplo estudo sobre o potencial hídrico do oeste da Bahia, ao lado de entidades e instituições de pesquisa. Ao final, participantes de 16 cidades enviaram perguntas que foram respondidas pelos palestrantes em uma mesa redonda.

Sobre o Aiba Lab

O Programa Aiba Lab surgiu da parceria entre a Aiba e o Centro Integrado de Manufatura e Tecnologia (Senai Cimatec), com o apoio do Land Innovation Fund (LIF). A iniciativa foi criada para fomentar a identificação e implementação de soluções tecnológicas em favor da cadeia de suprimentos da soja sustentável no oeste da Bahia.

O Hackathon, um dos três eventos da programação do Aiba Lab está com inscrições abertas até 23 de julho e início marcado para o dia 26 do mesmo mês, com previsão de encerramento das atividades em 22 de outubro. “Serão três fases: modelagem da solução, prototipação e pitch e pré-aceleração”. Informa Vilson Alves, gerente de empreendedorismo e inovação do Senai Cimatec. Outras informações podem se encontradas no site aibalab.org.br ou nas redes sociais das instituições envolvidas no projeto.

Além do Hackathon, o programa Aiba Lab terá mais duas etapas: Next Gen, que visa aproximar produtores e agentes empreendedores de soluções inovadoras; e o Aiba Connect, que fará a submissão de propostas de startups e grupos pré-existentes para as demandas prioritárias do programa.

Todos os participantes das lives de imersão concorrem à brindes no final do evento, além de receber certificado de participação, mas, para isso, precisam acompanhar os três encontros de imersão, que ocorrem até do dia 21 de julho.

Ascom Aiba