Doações dos agricultores do oeste baiano são revertidas em obras sociais

Publicado em: 23/04/2018 16:25:09

Um dos principais polos produtivos do País, o este da Bahia vive o momento de colheita, tanto da produção agrícola quanto dos bons frutos originários da solidariedade dos produtores rurais da região. Na última sexta-feira (20), duas entidades sociais de Luís Eduardo Magalhães, contempladas com recursos do Fundo para o Desenvolvimento Integrado e Sustentável da Bahia (Fundesis), inauguraram suas novas estruturas.

A primeira, a Associação dos Moradores de Aracruz (AMA), recebeu a quantia de R$ 30 mil, que foram utilizados integralmente na melhoria do ambiente onde funciona. De acordo com o presidente da AMA, José Carlos de Souza, o benefício foi usado para pagar os custos das obras na estrutura física, visando atender com segurança e conforto mais de 170 crianças e adolescentes que realizam diariamente atividades educacionais, de lazer e esportes. “Devemos isso às doações dos agricultores que mantêm o Fundo junto ao Banco do Nordeste. Se não fosse o Fundesis estaríamos funcionando precariamente”, contou, sem esconder a alegria e gratidão.

A outra instituição que também inaugurou os instrumentos musicais recém-adquiridos foi a Escola de Música DÓ RÉ MI, que funciona nas dependências da Paróquia Santa Rita de Cássia. Com aporte do Fundesis, a entidade foi totalmente equipada para desempenhar com excelência sua atividade fim. Com uma gestão eficiente do recurso, ainda foi possível fazer melhorias do espaço físico, a fim de melhor acomodar as 135 crianças e adolescentes que são beneficiadas com o projeto. “Nesses anos de projeto, os meninos tiveram um progresso não só na música, eles tiveram um progresso na vida. A confiança que eles depositam em nosso trabalho é incrível, percebo que isso reflete muito como eles encaram a vida lá fora. O comprometimento, educação, o olhar para o próximo isso tudo é trabalhado”, explica uma das coordenadoras da escola, Alessandra Scarela.  

“Ter projetos como esses tão acessíveis para nossos filhos é de uma alegria sem fim, porque todos nós sabemos que o custo de vida atual é muito alto. Como eu tenho três filhos seria muito difícil proporcionar isso a eles sem essa ajuda. Sem falar que é uma atividade maravilhosa para o envolvimento deles com o próximo, com a vida de uma forma em geral”, disse Luciene Oliveira, mãe de um beneficiado pela entidade.

O produtor rural Odacil Ranzi acompanhou de perto como as instituições estão desenvolvendo suas atividades após a contribuição do Fundesis e ficou emocionado com o resultado do trabalho desenvolvido. “O coração está batendo mais forte, mas é de alegria. Como agricultor associado da Aiba e contribuinte do Fundo, eu estou muito feliz por ter a oportunidade de ver e ouvir o que esses meninos e meninas são capazes de fazer. Tenho certeza que estamos contribuindo para uma geração de cidadãos e cidadãs de bem”.

O gerente da agência do BNB em Luís Eduardo Magalhães, Romildo Nascimento, chamou atenção para o destino correto de cada centavo. “Os recursos chegam a quem precisa, para fazer o que fato foi destinado para ser feito, que é transformações. E é por isso que agradecemos a cada um dos produtores rurais que ao longo desses 11 anos vêm contribuindo para sucesso dessa parceria”, disse, destacando que o Banco do Nordeste do Brasil (BNB) vem funcionando como agente catalisador dos recursos do Fundesis, ou seja, quando o produtor procura a instituição financeira para fazer o custeio da safra parte do recurso é destinado ao fundo.

O vice-presidente da Associação de Agricultores e Irrigantes da Bahia (Aiba), Luiz Pradella, ressaltou a abrangência do Fundesis no oeste baiano. “A Aiba, com quase 30 anos, vem atendendo, através do Fundesis, todos os 14 municípios que compõem o oeste da Bahia. Nós produtores rurais, trabalhamos em prol do coletivo. O Fundesis não tem o objetivo de financiar a ideia de ninguém e sim melhorar o projeto que já existe. Neste último edital foram contemplados 21 projetos e levando em conta que o ano tem 52 duas semanas podemos dizer que a cada duas semanas e meia nós temos um projeto sendo entregue para a comunidade. Só nesta semana conseguimos beneficiar cerca de 300 pessoas em dois projetos”, declara.

As cerimônias de inauguração contaram também com a participação do vice-prefeito de Luís Eduardo Magalhães, Vanir Kölln; da presidente do Sindicato dos Produtores Rurais de Luís Eduardo Magalhães, Carminha Missio; da coordenadora do Fundesis, Makena Thomé; e do superintendente do Instituto Aiba, Helmuth Kieckhöfer.

Ascom Aiba